Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, Mulher, de 20 a 25 anos, Portuguese, English, Arte e cultura, Música, Leitura



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 meus desenhos
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
 
Cronicando




Escrito por Bruna Andrade / Leila às 12h15
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Uísque e Blush

Sonhei que abandonei um homem no altar. Mas não foi por querer... Precisava apenas de alguns minutos para me maquiar, quem raios vai se casar sem se maquiar? O que eu tinha na cabeça para entrar na igreja naquele estado deplorável? Foram apenas dez minutos. Mas foi o suficiente para pensarem que eu o abandonei. Quando retornei à igreja, só encontrei bancos vazios. Ainda quentes. Sabia que estavam pensando, me corroeu. Ouvia os risos, os deboches. Já haviam até o apelidado pelas costas. Sai pelas ruas, vestida de noiva, correndo em direção ao lugar onde sabia que o encontraria. Estraçalhado. Cheguei a um hotel caindo aos pedaços, enxerguei sua silhueta pela janela pateticamente iluminada, como que por uma vela na brisa. Tudo o que via era um corpo transtornado, arrancando os cabelos com as unhas rejeitadas. Meu coração doeu. Não é isso que você está pensando... Eu só queria te merecer. Eu estou aqui... Não te abandonei, só queria ser mais... No momento em que invadi o hotel e comecei a escalada pelas escadas rangendo, acordei num súbito. Desesperada, tentando alcançar os degraus já dissolvidos na névoa do sonho morto. A imagem daquela alma em pânico, abandonada em seu movimento de ir e vir desesperado não me deixa a cabeça. Daria muito dinheiro para descobrir o decorrer deste sonho. Consegui eu, me desculpar? Pedir perdão? Convencê-lo de que não passou de um mal entendido, de cobranças exageradas? Daria tudo para poder voltar ao mar de névoa dos sonhos, voltar para aquele hotel medíocre, fedendo a uísque e verniz. Subir as escadas e abraça-lo, tirá-lo do desespero, desfazer sua dor como se desfaz um nó. Ele continua sofrendo naquele quarto de hotel, dentro do mundo dos sonhos. E eu nada posso fazer neste mundo cru e frio para consertar a alma quebrada e abandonada. Queria, afinal, ver o rosto do meu noivo. Nem o conheço, mas sei que o amo perdidamente... Separados por um mundo...

Alguém sabe o preço de uma caixa de Rivotril? 



Escrito por Bruna Andrade / Leila às 12h09
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]